quarta-feira, 18 de junho de 2008

Os 25 autores mais admirados do Brasil - Recanto das Palavras

Em um dos meus blogs preferidos, Recanto das Palavras, está disponível o Ranking dos 25 autores mais admirados do Brasil. A pesquisa Retrato da Leitura no Brasil foi feita pelo Instituto Pró-livro e coordenado pelo Observatório do Livro e da Leitura. A execução da pesquisa ficou por conta do Ibope - inteligência. Há de convir que há muitas vertentes o que vem a concluir que pessoas de gostos literários diversos foram entrevistados.
Autores mais admirados
1 – Monteiro Lobato
2 – Paulo Coelho
3 – Jorge Amado
4 – Machado de Assis
5 – Vinícius de Moraes
6 – Cecília Meireles
7 – Carlos Drummond de Andrade
8 – Érico Veríssimo
9 – José de Alencar
10 – Maurício de Sousa
11 – Mário Quintana
12 – Ruth Rocha
13 – Zibia Gasparetto
14 – Manuel Bandeira
15 – Ziraldo
16 – Chico Xavier
17 – Augusto Cury
18 – Ariano Suassuna
19 – Paulo Freire
20 – Edir Macedo
21 – Castro Alves
22 – Graciliano Ramos
23 – Fernando Pessoa
24 – Rachel de Queiroz
25 – Luis Fernando Veríssimo
a pesquisa pode ser baixada aqui

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Dicas de Redação - Por Cíntia Barreto

No site de Cíntia Barreto, a professora dá algumas dicas para os preocupados com a redação no vestibular. Vale a pena conferir tais dicas, pois tranquilizam o vestibulando na hora da redação.
Muita atenção e boa sorte!

Dicas
  1. Numa redação dissertativa-argumentativa, não use a 1ª pessoa do singular (Eu). Prefira usar os verbos na 3ª pessoa do singular (Compreende-se ..., percebe-se ...).
  2. Em cada parágrafo, procure elaborar de dois a três períodos. Não faça períodos longos nem curtos.
  3. Não use gírias nem provérbios.
  4. Não use etc. nem reticências.
  5. Use anáforas, catáforas, hiperônimos, hipônimos, perífrases e antonomásias para atribuir coesão a seu texto. Ao escrevermos um texto, utilizamo-nos de vários elementos de referenciação como: pronomes pessoais, possessivos, demonstrativos, indefinidos, assim como apostos, hiperônimos (palavras de idéias gerais – "instrumentos", "ferramentas", ...), hipônimos (palavras de idéias restritas – "violão", "martelo", ...), perífrases ("a Cidade Maravilhosa" para substituir, por exemplo, "Rio de Janeiro"), antonomásias ("Poeta dos Escravos" = Castro Alves) entre outros artifícios lingüísticos.
  6. Não repita palavras ou expressões. Use sinônimos.
  7. Só use exemplos que sejam de domínio público, portanto apenas aqueles que tenham saído na mídia: jornais, revistas, ...
  8. Evite estrangeirismos. Por outro lado, se for necessário, use aspas para palavras latinas, americanas ... ( condição "sine qua non" = essencial).
  9. Ao separar as sílabas, não deixe apenas uma vogal, iniciando ou terminando, uma linha. Também não termine a sílaba, mesmo que correta, deixando, em cima ou embaixo, um cacófato.

Tipos de redação e interpretação textual - por Cíntia Barreto

Dissertação Narração Descrição
É o tipo de composição na qual expomos idéias gerais, seguidas da apresentação de argumentos que as comprovem. É a modalidade de redação na qual contamos um ou mais fatos que ocorreram em determinado tempo e lugar, envolvendo certos personagens. É o tipo de redação na qual se apontam as características que compõem um determinado objeto, pessoa, ambiente ou paisagem.


Existem três formas básicas de redação: descrição, narração e dissertação. É importante que você consiga perceber a diferença entre elas.

Veja, agora, três exemplos:

DISSERTAÇÃO
A procura por cursos e escolas de boa qualidade tem aumentado significativamente. Os altos índices de desemprego, no país, são fatores predominantes para que os pais, mais atentos a essa realidade, busquem, na educação, minimizar as dificuldades existentes.

NARRAÇÃO

" — E gente enferruja?
Raul nem estava conseguindo dormir, de tanto repensar. Mil perguntas na cabeça.
— Será que é bolor? Pode ser... É meio azulado.
Mas não tem um jeito macio feito coisa embolarada.
Parece mais ferrugem.
Estava assim, pensando e pensando, desde a hora do recreio na escola, quando descobriu as manchas azuis no braço. Primeiro até pensou que fosse tinta. Só que não tinha jeito de tinta."

MACHADO, Ana Maria. Raul da ferrugem azul. Rio de Janeiro: Salamandra;
Brasília: INL, 1979. p.

DESCRIÇÃO

"Passarinho me contou que certa vez havia um reino. E, nesse reino, um rei havia.
Havia também muita coisa bonita, coisa que nem se imagina.
Havia sol e havia mar. Muito sol. Muito mar. Com tudo o que costuma essas belezas acompanhar. Ilhas, praias, coqueirais, canoas a remo e a vela, redes de pesca de sono, lagoas, conchas, peixes, jardins de algas, floresta de coral, brisa a soprar.
Às vezes, havia arco-íris. De noite, brilhava o luar."

MACHADO, Ana Maria. Passarinho me contou. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 1.


Dissertar
: expor idéias.

Argumentar: convencer e persuadir.
Convencer: utilizar as informações, para através da razão, demonstrar, provar algo.
Persuadir: convencer uma pessoa para agir e pensar como nós.
É possível convencer, mas não persuadir alguém.

Fonte: http://www.cintiabarreto.com.br/