quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

10 erros fatais em uma entrevista de emprego

"Vamos sair, mas não temos mais dinheiro
os meus amigos estão procurando emprego..."
Renato Russo, in Teatro dos Vampiros, cd V (não lembro a faixa)


Uma situação difícil para qualquer um que está sem emprego: a entrevista.

Mãos suadas, palpitações, boca seca, dificuldade de elaborar as frases mais fáceis e aí vai. Muitos jovens que terminam o Ensino Médio, antes de se preocuparem com a Universidade, são obrigados (por questões financeiras mesmo) a buscar um ocupação rentável para poder cobrir as despesas da faculdade. Desde a mensalidade (se acaso for particular) até transporte e xérox... muita xérox!!!


Se o perfil acima se enquadra aproximado ou total com o seu, saiba que a Universia, site dedicado à preparação universitária e profissional, apresenta um artigo com os 10 erros fatais ao se fazer uma entrevista. Palavra de quem entende, vale a pena saber.



1. Chegar atrasado
"Chegar atrasado numa entrevista, além de desorganização, demonstra que o candidato não está dando o devido valor à entrevista. A displicência com o horário mostra que você não priorizou tal compromisso em sua agenda. Além disso, fazer uma pessoa esperar é falta de respeito. Tempo é um recurso escasso, logo, deve ser bem aproveitado. Caso você, por algum motivo, atrase na entrevista, informe imediatamente o entrevistador. Verifique se é possível passar um candidato na sua frente, ou, se necessário, remarque a entrevista. Se você chegou no horário, mas tem compromisso para mais tarde o ideal é avisar o entrevistador de antemão. Não faça a entrevista na correria para não se sentir pressionado. Isso pode prejudicar seu desempenho."

Wander Mendes, professor e consultor na área de Gestão de Pessoas e Planejamento Estratégico da FGV-PR (Fundação Getúlio Vargas do Paraná).
2. Usar roupas informais demais
"Hoje em dia, os jovens são muito despojados. Na faculdade, não há nada de mal nisso. Agora, para a entrevista de emprego, não custa melhorar um pouco o visual. Isso não quer dizer que todo candidato a estágio ou jovem recém-formado deva vestir terno e gravata ou, no caso das meninas, tailer e scarpin. ? preciso saber escolher a roupa e adequar o vestuário a cada tipo de empresa. Uma agência de publicidade, por exemplo, permite um visual mais informal. Agora, se a entrevista é para uma instituição financeira, é óbvio que o candidato terá de seguir a regra básica: esporte fino. Lembre-se: o que deve prender a atenção do entrevistador é o seu conteúdo e não a 'embalagem', portanto, jamais vá para a entrevista de chinelo, regata, roupa decotada, barriga aparecendo, saia curta ou short."

Marisa Silva, consultora de Recursos Humanos da Career Center
3. Não saber nada sobre a empresa ou o setor
"? muito comum que os candidatos partam para a entrevista de emprego sem saber sobre a empresa em questão ou sobre o setor em que ela está inserida, quando na verdade, ele deveria estar munido do maior número de informações possível. Se a empresa de recrutamento não divulgar qual é a companhia que está em busca de candidatos, ela deverá, ao menos, informar sobre o setor. Tem mais chance de sucesso o candidato que sabe se posicionar na entrevista porque domina o assunto trabalho, em detrimento daquele que não se deu ao trabalho de pesquisar mais sobre a empresa em questão. Sempre repito isso para meus alunos: informação nunca é demais."
Jaqueline Mascarenhas, consultora de carreira do Ibmec Minas Gerais
4. Expressar-se mal, com gírias e frases sem sentido
"O discurso mais adequado para uma entrevista é aquele em que o candidato consegue ser objetivo, responder as perguntas do entrevistador, expor seu ponto de vista quando é convidado a fazer isso e perguntar, com tato, detalhes sobre a vaga. No meio do caminho, porém, é muito comum que os candidatos façam uso de gírias e regionalismos na hora de tirar suas dúvidas. O linguajar é um detalhe importante, dependendo das expressões utilizadas, o discurso demonstra certa imaturidade do candidato. O ideal é responder as perguntas com calma, ter tempo para pensar e expor suas idéias com tranqüilidade. Este, aliás, é outro problema grave de muitos discursos. Tem candidato que fica tão nervoso na hora da entrevista que dispara a falar e quando percebe já mudou de assunto e não respondeu a pergunta do entrevistador. Isso é muito ruim, já que o ritmo da entrevista é um fator importante."
Marco Túlio Rodrigues Costa, professor de Aspectos Comportamentais ?ticos de Gestão de Pessoas da FGV-BH (Fundação Getúlio Vargas de Belo Horizonte)
5. Mentir sobre suas qualificações
"Mentir na entrevista é o mesmo que dar corda para se enforcar. Inventar cursos, referências e pequenos sucessos colocam o candidato numa situação vulnerável porque, caso seja contratado, terá de sustentar essa inverdade por muito tempo. E como diz o ditado: mentira tem perna curta, hora ou outra seu deslize será descoberto. Aí o prejuízo será bem maior. Uma vez que seu superior descobrir que você não tem as habilidades destacadas na entrevista, perceberá que seu perfil não atende às necessidades da empresa, e mais, que errou ao apostar em sua seleção. Ao ser contratado, o indivíduo precisa ter claro que convenceu o recrutador de possuir determinadas competências. Ao mentir, não só estará provando que não as tem como atestará sua falta de caráter ao faltar com a verdade. Isso deixará o recrutador descontente duas vezes e poderá resultar em demissão comprometendo, inclusive, futuras recomendações."
Gustavo G. Boog, diretor da Boog Consultoria
6. Falar mal do emprego ou do chefe anterior
"Mesmo que esteja com raiva da empresa ou do chefe antigo, jamais fale mal deles na entrevista de emprego. Essa atitude é vista com maus olhos por 99,9% dos recrutadores. Na entrevista de emprego, o recrutador não está interessado em ficar por dentro de 'pendengas' cujas pessoas e razões ele simplesmente desconhece. Seu objetivo é investigar de que maneira seu perfil profissional e suas qualificações poderão ser úteis para a empresa. Caso você vá logo partindo para o discurso de que estava infeliz no emprego anterior porque seu chefe o perseguia, além de desviar o foco da entrevista, estará levantando questões que podem levar o recrutador a repensar sua contratação. Afinal, numa situação de conflito, é preciso avaliar a parcela de culpa de ambas as partes. Além disso, falar mal da empresa ou do antigo chefe revela uma postura antiética de sua parte, pois se tratam de segredos e detalhes de um negócio do qual você não faz mais parte. Mas, atenção: isso não quer dizer que você deva mentir, e sim, contornar a situação. Uma boa saída é dizer que saiu da empresa por estar em busca de novos desafios profissionais."
Maria Bernadete Pupo, gerente de Recursos Humanos da Unifeo e professora da FAC FITO
7. Disputar espaço com o entrevistador
"Para disfarçar o nervosismo, tem muita gente que acaba partindo para o ataque e disputando espaço com o recrutador durante a entrevista. Para driblar a insegurança, ele acaba querendo fazer pose de sabido a fim de triunfar sobre o recrutador. Isso tudo, porém, é muito mais que previsível para quem trabalha com Recursos Humanos. Aí, das duas uma: ou você perde a vaga porque o recrutador percebe sua insegurança por meio de uma postura imatura de quem está na defensiva, ou acaba sendo eliminado pela prepotência e o excesso de arrogância que esse comportamento demonstra. Por isso, não entre numa disputa direta com o recrutador. Espere, escute e, aí sim, faça suas considerações, sempre com humildade."
Mariá Giuliese, diretora-executiva da Lens Minarelli e especialista em análise e aconselhamento de carreira
8. Vangloriar-se de suas conquistas pessoais
"Na hora de 'vender seu peixe' ponha o ego de lado e não em primeiro lugar. O discurso não pode estar recheado de "eu fiz"; "eu consegui"; "eu conquistei"; e "eu realizei". Quando você coloca todas as conquistas em primeira pessoa pode soar presunçoso para o entrevistador. Até porque, na maior parte das empresas, os projetos e as realizações não são fruto do trabalho individual, mas sim, de uma equipe. Na hora de destacar seus feitos, procure valorizar sua participação em um projeto de sucesso implementado por uma equipe, e a partir disso, destaque como foi sua atuação para que ele fosse bem-sucedido. Lembre-se: egocentrismo não é uma característica admirada pelos contratantes. Para não cair nessa, vale treinar na frente do espelho. Olho no olho, com segurança no discurso. Um pouco de bom humor também ajuda. Existe uma tese que diz: quando você sorri, se desarma internamente e se torna mais receptivo."
Irene Ferreira Azevedo, professora de Liderança da BBS (Brazilian Business School)
9. Não perguntar nada durante a entrevista
"Não é porque você está fazendo uma entrevista que sua participação na conversa deve se limitar a responder o que o entrevistador pergunta. Por timidez ou insegurança, muita gente sai com dúvida da entrevista e isso é ruim. Caso o recrutador não mencione, é sua obrigação perguntar detalhes sobre a rotina de trabalho e benefícios. Porém, isso não significa que você deve incorporar o perguntador chato. Caso a explicação sobre a vaga não tenha sido suficiente para esclarecer suas dúvidas, pergunte com bastante delicadeza novamente: 'Desculpe-me, não ficou muito claro para mim'. Agora, se mesmo assim restarem dúvidas, deixe para outra ocasião. Perguntar sobre o salário não é uma coisa ruim, desde que você não se preocupe só em saber quanto será a remuneração. Procure se informar sobre outros detalhes para não mostrar que está interessado só no dinheiro."
Cristiane Cortez, consultora de carreira do IBTA Carreiras
10. Demonstrar desequilíbrio emocional
"Não é segredo para ninguém que o nervosismo pode atrapalhar, e muito, nos momentos decisivos. Na entrevista de emprego não poderia ser diferente. O candidato pode até ter o perfil ideal para a vaga, mas se deixar a tensão dominá-lo no momento em que precisa deixar claro suas qualificações, sua chance pode ir por água abaixo. O desequilíbrio emocional demonstrado pela insegurança e o nervosismo pode dizer ao recrutador que você não está pronto para assumir uma grande responsabilidade. Por isso, evite cometer erros como: levar um acompanhante para esperá-lo após a entrevista, inflar seu discurso com comentários negativos ou colocar-se em uma posição de vítima frente adversidades. Se você tem um bom currículo e suas características correspondem ao perfil da vaga, não há motivo para se preocupar."
Priscila Lara, consultora de Recursos Humanos do Grupo Foco

Fonte: Universia Brasil
Abraços do Jacaré!

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Bibliotecas Virtuais

O que é mais rápido: procurar uma obra literária na biblioteca ou encontrá-la na Net?
Garanto que a resposta foi unânime, porém a questão é: em que "site" encontrar. O Portal de Educação Corporativa pensou nisso e relacionou as melhores bibliotecas virtuais na rede onde estão disponíveis para baixar obras e textos valiosos para alunos e profissionais de diversas áreas. Vale a pena, pois muitos livros são difíceis de encontrar em algumas bibliotecas e livrarias.

Alguns sites como o Domínio Público,
Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro e o Virtual Book Store já são conhecidos de alguns professores multimídia e alunos que se preparam para provas do ENEM, PAS e vestibulares de grandes Faculdades. A lista ainda contém "links" para sites estrangeiros para aqueles que dominam uma outra língua além do português.

Boa pesquisa!





Fonte: http://www.educor.desenvolvimento.gov.br/index.htm

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Dicas para escrever bem - Aprendendo redação

Mais uma de humor e conhecimento. As 30 dicas abaixo são verdadeiras, disso não se tem dúvidas. Agora quero que preste a atenção e veja que há incoerências em cada uma. Seu desafio é descobrir de qual incoerência se trata. A brincadeira já caiu até em prova da FUVEST. Muitos vestibulares estão, já há algum tempo, preferindo conhecimento lingüístico à gramática. Estas dicas são do Excelente site Perguntas cretinas.

Delicie-se!

1. Deve evitar ao máx. a utiliz. de abrev., etc.

2. É desnecessário fazer-se empregar de um estilo de escrita demasiadamente rebuscado. Tal prática advém de esmero excessivo que raia o exibicionismo narcisístico.

3. Anule aliterações altamente abusivas.

4. não esqueça as maiúsculas no início das frases.

5. Evite lugares-comuns como o diabo foge da cruz.

6. O uso de parêntesis (mesmo quando for relevante) é desnecessário.

7. Estrangeirismos estão out; palavras de origem portuguesa estão in.

......



segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Do Trovadorismo ao Modernismo

Os estilos literários com contexto histórico, características e textos para estudo podem ser encontrados no site do professor Gaudez. Uma visão completa das escolas em formato de tópicos bem esclarecidos. Um prato cheio para o vestibulando.


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Guia dos curiosos - Línguas.

São muitas as línguas pelo mundo. Além das tão famosas conhecidas há outras menos e exóticas e há também os dialetos. Há línguas consideradas "mortas" e outras bem ativas. E pelo efeito da globalização essas linguas ainda vão ter inúmeras transformações. Por enquanto posto essas curiosidades sobre as línguas que se encontram no site Guia dos curiosos.
  • Existem mais de 2.700 línguas e outros 7 mil dialetos no mundo. Dialeto é uma variação regional da língua, com diferentes pronúncias, vocabulário ou significado.
  • A Somália é o único país africano em que toda a população fala apenas uma língua, o somali. Existem mais de mil línguas na África.
  • Uma das línguas consideradas mais difíceis é o basco, falado nos Países Bascos, na Espanha. Ela não tem relação com nenhuma outra língua do mundo e sua estrutura gramatical é bastante complicada.
  • Os dez idiomas mais falados do mundo atualmente são chinês, inglês, hindu, russo, espanhol, japonês, alemão, indonésio, português e francês.
  • O chinês é falado por quase um bilhão de pessoas. Já o inglês é utilizado como segundo idioma em uma grande área do globo. Cerca de 200 milhões de pessoas falam inglês.
  • Os idiomas se difundem com a migrações. As cinco línguas espalhadas pelo mundo por causa das colonizações são: inglês, francês, espanhol, holandês e português.
  • Em alguns países africanos o inglês e o francês substituíram os idiomas locais por causa da facilidade didática.
  • Por um longo período, o latim foi o idioma mais falado do mundo. Hoje, A língua oficial da Igreja Católica Romana é cada vez menos utilizada e está prestes a desaparecer.

Abraços do Jacaré de Chinelo
Fonte: http://guiadoscuriosos.ig.com.br

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

10 dicas para utilizar sua agenda.

Bom, se você é daqueles que utilizam as "agendas on-line" como a do google agenda, então desconsiderem essa postagem. Agora, se você depende das anotações de seus compromissos, pensamentos, datas especiais, rabiscos subjetivos daqueles que só você entende em agendas "de celulose" então vai aí a dica de Chistian Barbosa. O rapaz é "especialista em produtividade pessoal e empresarial".

1 – Tenha apenas 1 agenda.
Você não tem duas vidas, logo não precisa ter duas agendas. Uma agenda bem utilizada é o suficiente para você, qualquer quantidade que exceda isso é desperdiçar tempo além de distribuir suas atividades.

2 – Centralize suas informações.
Se você tem uma agenda é para usar! Guardar tudo na memória pode ser muito perigoso e um gerador de urgências desnecessárias. Literalmente “descarregue” tudo que tiver para fazer em sua agenda. Centralize todas as suas atividades na agenda. Se alguém te pedir algo, anote! Se lembrar de algo, anote! Sua agenda deve ser o local central de tudo que você precisa fazer.

3 – Divida seu dia entre tarefas e compromissos.
Infelizmente as agendas convencionais são divididas apenas por horários e isso não é muito produtivo. O ideal é dividir seu dia entre os compromissos que tem hora de início e término e tarefas (que são quaisquer atividades que você deve fazer no dia específico). Divida a sua agenda ao meio. O lado esquerdo utilize para os compromissos. O lado direito utilize para anotar qualquer atividade que deve ser feita no dia que está agendando.

4 – Utilize um caderno para anotações
Se sua agenda não tiver um espaço adequado para anotações a recomendação é que você utilize um caderno, para fazer suas anotações. Utilize um padrão para suas anotações, como data, assunto e participantes. Você pode colocar em sua agenda uma referência a cada anotação feita, dessa forma caso precise localizar irá direto ao ponto sem precisar ficar vasculhando seu caderno.


5 – Utilize marcadores para buscar informações.
Uma dica oriunda dos “planners” é a utilização de marcadores para localizar informações. Vamos supor que você foi a uma reunião hoje e fez diversas anotações e criou uma série de tarefas para você fazer para o próximo mês. Depois de alguns dias você nem lembra mais o que almoçou, imagine as anotações da reunião. O que você pode fazer é colocar um marcador do lado da tarefa que terá que fazer, com o dia de hoje (ex.: Checar relatório de despesas [02-10-07]). Assim toda vez que olhar para uma tarefa poderá voltar no dia marcado e checar ao que se refere.

6 – Mantenha seus contatos no computador e na agenda.
Uma das coisas que mais tomam tempo no começo do ano é a migração da sua lista de contatos para a nova agenda. É muito provável que você tenha um programa em seu computador que já tenha esse cadastro, por isso recomendo que você mantenha a mesma em seu computador e imprima mensalmente ou na periodicidade de suas atualizações e anexe em sua agenda. Dessa forma você não perde tempo atualizando e mantém aonde é mais fácil manter e atualizar, inclusive podendo sincronizar com a Internet e com seu celular.

7 – Agrupe atividades semelhantes.
Sempre que possível agrupe atividades do mesmo tipo para serem feitas no mesmo período de tempo.

8 – Priorize seu dia.
Para que você tenha uma lista de atividades eficientes e focadas é necessário priorizá-las em uma ordem. Numere as tarefas de acordo com a ordem que devem ser executadas e siga essa prioridade ao longo do dia.

9 – Planeje no mínimo 3 dias à frente.
Administração de tempo é basicamente planejamento e antecipação. Se você olhar para sua agenda com essas duas palavras em mente, fará grande diferença. Olhe sempre para 3 dias ou mais à frente e veja o que pode gerar problemas ou urgências e antecipe tarefas. Quanto mais planejado você for, mais tempo terá. Se sua agenda está centralizando todas as suas atividades, isso será fácil de acontecer.

10 – Use imagens do que é importante.
O que é importante em sua vida precisa ficar sempre perto de você. Você pode construir um quadro com fotos de sua família, filhos, das suas metas e projetos importantes. Esse quadro pode ficar anexado nos primeiros dias de sua agenda. Sempre que for planejar seus dias, reveja o quadro e lembre-se de reservar um tempo para aquilo que verdadeiramente faz a vida valer a pena.

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Principais regras de ortografia

Tenho assistido aquele campeonato de "soletrar" palavras da língua portuguesa na TV e percebi que os "deslizes" dos alunos são os comuns a todos os falantes do Português. Vale a intenção, sim, promover concursos. Sei que não é fácil escrever "certo" sem leitura (...) Concordo que deve-se, principalmente lê-las (nos livros, jornais, revistas, etc) e assimilá-las; o conhecimento das regras ajuda, mas não tem utilidade sem a prática da leitura.

Pasquale e Ulisses Infante em "Gramática da Língua Portuguesa", Scipione, trazem (opinião minha) as orientações mais sucintas das Gramáticas que conheço. Confira.




quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Línguas Indo-Européias

Algumas línguas que apresentam semelhanças na fonética e na morfologia são agrupadas em famílias. Diz-se que todas elas se desenvolveram a partir deu uma língua comum ou principal (proto-língua)
Uma dessas famílias é a do tronco indo-europeu da qual pertencem sete das dez mais faladas do globo (inglês, hindi, espanhol, russo, bengali, português e alemão). A difusão do "dito" tronco foi motivada pelas colonizações que se deram em meados do século XV.

Línguas que fazem parte do tronco indo-europeu:
o grego, o latim, o céltico, o germânico, o eslavo, o báltico, o albanês, e o armênio.



Segue abaixo cada língua originada de suas ramificações
Grego => grego moderno;
Latim =>
português, francês, espanhol, italiano, provençal, romeno, reto-românico, sardo e dalmático (extinto);
Céltico =>
gaulês, britânico, gaélico (Irlanda) e o bretão;
Germânico =>
gótico (extinta), nórdico (islandês, norueguês, sueco e dinamarquês) e ocidental (alemão moderno, holandês), frisão (norte da Holanda), e inglês moderno;
Eslavo =>
búlgaro, servo-croata, esloveno, russo, ucraniano, tcheco e polonês.
Báltico =>
velho-prussiano (desaparecido nó século XVII) e o lituano;
Albanês => albanês moderno;
Armênio =>
armênio (República da Armênia, Geórgia, e em certas regiões da Síria, Turquia e Bulgária.


Muito bom lembrar que a Linguística é ciência nova e ainda nos restam muitas pesquisas sobre a evolução dessas línguas no tempo, espaço e sociedade. O albanês, por exemplo, ainda não se tem estudos profundos sobre sua origem, o russo, apesar de ser do tronco indo-europeu pertencente ao Eslavo, tem seu alfabeto derivado do grego (cirílico).
O que nos resta apreciar e compreender seu processo.

Abraços do Jacaré.

Fontes: www.wikipedia.com.br
www.filologia.org.br



sábado, 2 de fevereiro de 2008

Vícios de Linguagem

Os Vícios de Linguagem devem ser evitados na fala e escrita formal. Em alguns casos entende-se que há a completa falta de noção da gramática, em outros, a própria dificuldade de expressão. Em todo caso, confira e veja quais são o principais vícios e, quem sabe, quais os que cometeu (foi mal).
Os principais vícios de linguagem são:

  • Barbarismo
  • Anfibologia ou Ambigüidade
  • Cacofonia
  • Eco
  • Arcaísmo
  • Vulgarismo
  • Estrangeirismo
  • Solecismo
  • Obscuridade
  • Nelogismo
  • Preciosismo
  • Pleonasmo

  • BARBARISMO:
    Uso de uma palavra errada nos seus aspectos: gráfico, ortoépico, prosódico, semântico, morfológico ou mórfico.
    • grafia: proesa em vez de proeza;
    • pronúncia: incrustrar em vez de incustar;
    • morfologia: cidadões em vez de cidadãos;
    • semântica: Ele comprimentou o tio (em vez de cumprimentou).
    AMBIGÜIDADE OU ANFIBOLOGIA:
    Uso de palavras com duplo sentido na sua interpretação.
    • A mãe encontrou o filho em seu quarto." (No quarto da mãe ou do filho?)
    • "Como vai a cachorra da sua mãe?" (Que cachorra? a mãe ou a cadela criada pela mãe?)
    • "Este líder dirigiu bem sua nação"("sua"? nação da 2ª ou 3° pessoa(o líder)??).
    CACOFONIA:
    Encontro ou repetição de fonemas ou sílabas que produzem efeito desagradável ao ouvido:
    • "A boca dela é linda!"
    • "Dê-me uma mão, por favor."
    • "Ela se disputa para ele."
    • "Vou-me já, pois estou atrasado."
    • "Eu amo ela demais !!!"
    • "Não tem nada de errado a cerca dela"
    • "Deixe ir-me já que está pingando."
    ECO:
    Seqüência de sons vocálicos, idênticos, ou na proximidade de palavras que têm a mesma terminação. Também se chama assonância.
    • "Falar em desenvolvimento é pensar em alimento, saúde e educação."
    • "O aluno repetente mente alegremente"
    ARCAÍSMO:
    Palavras, expressões, construções ou maneira de dizer que deixaram de ser usadas ou passaram a ter emprego diverso.
    Asinha (por depressa), assi (por assim) entonces (por então), vosmecê (por você), geolho (por joelho), arreio (o qual perdeu a significação antiga de enfeite), catar (perdeu a significação antiga de olhar), faria-te um favor (não se coloca mais o pronome pessoal átono depois de forma verbal do futuro do indicativo), etc.
    VULGARISMO:
    É o uso lingüístico popular:
    • A queda dos erres finais: anda, comê, etc.
    • estoura = estóra, roubar = robar.
    • advogado = adevogado, rítmo = rítimo, psicologia = pissicologia.
    • vi ela, olha eu, ó gente, etc.
    ESTRANGEIRISMO:
    Todo e qualquer emprego de palavras, expressões e construções estrangeiras em nosso idioma recebe denominação de estrangeirismo.
    O estrangeirismo pode ser morfológico ou sintático.
    Estrangeirismos morfológicos:
    • Francesismo: abajur, chefe, carnê, matinê etc...
    • Italianismos: ravioli, pizza, cicerone, minestra, madona etc...
    • Espanholismos: camarilha, guitarra, quadrilha etc...
    • Anglicanismos: futebol, telex, bofe, ringue, sanduíche breque.
    • Germanismos: chope, cerveja, gás, touca etc...
    • Eslavismos: gravata, estepe etc...
    • Arabismos: alface, tarimba, açougue, bazar etc...
    • Hebraísmos: amém, sábado etc...
    • Grecismos: batismo, farmácia, o limpo, bispo etc...
    • Latinismos: index, bis, memorandum, quo vadis etc...
    • Tupinismos: mirim, pipoca, peteca, caipira etc...
    • Americanismos: canoa, chocolate, mate, mandioca etc...
    • Orientalismos: chá, xícara, pagode, kamikaze etc...
    • Africanismos: macumba, fuxicar, cochilar, samba etc...

    Estrangeirismos Sintáticos:
    • Saltar aos olhos (francesismo);
    • Pedro é mais velho de mim. (italianismo);
    • O jogo resultou admirável. (espanholismo);
    • Porcentagem (anglicanismo), guerra fria (anglicanismo) etc...
    SOLECISMOS:
    Erros contra as normas de concordância, de regência ou de colocação.
    regência:
    • Ontem assistimos o filme (por: Ontem assistimos ao filme).
    • Cheguei no Brasil em 1923 (por: Cheguei ao Brasil em 1923).
    • Pedro visava o posto de chefe (correto: Pedro visava ao posto de chefe).
    concordância:
    • Haviam muitas pessoas na festa (correto: Havia muitas pessoas na festa
    • O pessoal já saíram? (correto: O pessoal já saiu?).
    colocação:
    • Foi João quem avisou-me (correto: Foi João quem me avisou).
    • Me empresta o lápis (Correto: Empresta-me o lápis).
    OBSCURIDADE:
    Frase obscura, embaraçada, ininteligível. .
    • Foi evitada uma efusão de sangue inútil (Em vez de efusão inútil de sangue).
    NEOLOGISMO:
    Palavra, expressão ou construção recentemente criadas ou introduzidas na língua.
    • Científicos ou técnicos: aeromoça, penicilina, telespectador, taxímetro (redução: táxi), fonemática, televisão, comunista, etc...
    • Literários ou artísticos: olhicerúleo, sesquiorelhal, paredro (= pessoa importante, prócer), vesperal, festival, recital, concretismo, modernismo etc...
    OBS.: Os neologismos populares são constituídos pelos termos de gíria. "Manjar" (entender, saber do assunto), "a pampa", legal (excelente), Zico, biruta, transa, psicodélico etc...
    PRECIOSISMO:
    Expressão rebuscada. É o que o povo chama de "falar difícil", "estar gastando".
    Ex.: "O fulvo e voluptoso Rajá celeste derramará além os fugitivos esplendores da sua magnificência astral e rendilhara d’alto e de leve as nuvens da delicadeza, arquitetural, decorativa, dos estilos manuelinos."

    PLEONASMO:
    Emprego inconsciente ou voluntário de palavras ou expressões involuntárias, desnecessárias, por já estar sua significação contida em outras da mesma frase.
    O pleonasmo, como vício de linguagem, contém uma repetição inútil e desnecessária dos elementos.
    • Voltou a estudar novamente.
    • "Ele vai ser o protagonista principal da peça".
    • "Meninos, entrempara dentro!"
    • "Estou subindo para cima."
    Fontes:
    http://pt.wikipedia.org/
    http://www.mundoeducacao.com.br/

    Conectivos.

    Conectivos estabelecem conexão entre palavras ou orações. Seu bom uso dará ao felizardo estudioso o poder de fazer um texto com "clareza" (textos com clareza dizem exatamente o que o autor está querendo expressar) , também está valendo para a língua falada, mas cuidado com o abuso!

    Os conectivos dividem-se em duas classes: coordenativos e subordinativos. Os primeiros ligam orações coordenadas, as últimas ligam subordinadas. Para quem já se esqueceu do que se trata tais orações, já vai a dica: Coordenadas: orações sem função sintática entre si; Subordinadas: orações com função sintática entre si (pode ser uma oração fazendo papel de sujeito ou objeto direto da outra; ou adjunto adverbial de tempo, por aí vai. Cadê a Gramática?)
    Quadro dos conectivos
    Coordenativos
    Conjunções coordenativas
    a. aditivas: e
    b. adversativas: mas
    c. alternativas: ou
    d. conclusivas: logo
    e. explicativas: pois
    Subordinativos
    Conjunções adverbiais
    a. causais: porque
    b. comparativas: como
    c. concessivas: embora
    d. condicionais: se
    e. conformativas: conforme
    f. consecutivas: [tão] que
    g. finais: para que
    h. proporcionais: à medida que
    i. temporais: quando

    Conjunções integrantes: que, se

    Pronomes relativos: que, quem, cujo, cuja, o qual, a qual, etc.