terça-feira, 27 de maio de 2008

Reforma Ortográfica aprovada!

Em 1990 os países ( Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Timor Leste) falantes da língua portuguesa se reuniram para discutir uma Reforma Ortográfica. Mas agora é para valer, segundo o MEC - Ministério da Educação e Cultura, até 2009 a novas regras estarão solidificadas.

Mas quais são as mudanças que esta Reforma acarretará em nossa língua? Lembrando que ela será feita também nos outros países de língua portuguesa.


Veja quais as principais mudanças na ortografia:

Fim do trema
O acento é totalmente eliminado. Assim, a palavra freqüente passa a ser escrita frequente.

Eliminação de acentos em ditongos
Acaba-se o acento nos ditongos “eiparoxítonas. Assim, idéia vira ideia.
O acento circunflexo quando dois “os” ficam juntos também some. Assim, vôo vira voo.

Cai o acento diferencial
Aquele acento que diferenciava palavras homônimas de significados diferentes acaba. Assim, pára do verbo parar vai ficar apenas para.

Mudanças nos hifens
Sai a maioria dos hifens em palavras compostas. Assim pára-quedas vira paraquedas.
Quanto houver necessidade, será dobrada a consoante. Assim contra-regra vira contrarregra.
Será mantido o hífen em palavras compostas cuja segunda palavra começa com h como pré-história.
Em substantivos compostos cuja última letra da primeira palavra e a primeira letra da palavra são a mesma, será feita a introdução do hífen. Assim microondas vira micro-ondas.

Inclusão de letras
As letras antes suprimidas do alfabeto português (k, y e w) voltam, mas só valem para manter as grafias de palavras estrangeiras;

Fim das letras mudas
Em Portugal, é comum a grafia de letras que não são pronunciadas como facto para falar fato. Essas letras somem com a reforma.

Dupla acentuação
Há algumas diferenças de acentuação entre o Brasil e Portugal principalmente quando se fala do acento circunflexo e agudo. Assim, os brasileiros escrevem econômico e os portugueses, económico. Essa diferença foi mantida.


Fonte: Luis Indriunas

Veja mais!
Reforma da Língua Portuguesa - 2008

quinta-feira, 22 de maio de 2008

Como sair bem no ENEM - Por André Gazola

Não é difícil de entender que o ENEM tem características que ultrapassam as tipologias comuns de outras provas. Sabe-se que é construído nos mais modernos preceitos educacionais: inteligências múltiplas, interdisciplinariedade, temas transversais da educação, cultura geral, ócio criativo etc.
Por esse motivo alguns companheiros alunos se equivocam em estudar as matérias escolares de forma sistemática, inflexível. Então o resultado não sai como um dos melhores.
No site Lendo.org, André Gazola dá as "dicas" para se tornar um pontuador exímio nas provas.

Segue conforme sua postagem:

Ir bem no ENEM e acertar tudo é fácil: se você sabe pensar — coisa que geralmente a escola não ensina — só precisa demonstrar que possui as seguintes competências:
  • Domina linguagens - Você precisa saber expressar seu pensamento de uma forma clara. Se você domina a norma culta da língua portuguesa e faz bom uso da linguagem matemática, artística e científica, está feito;
  • Compreende fenômenos - Um fenômeno não é só aquele seu gato que tem um olho de cada cor. Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas, prova que você é capaz de raciocinar interligando os conteúdos que viu em todas disciplinas;
  • Sabe enfrentar situações-problema - Raciocínio puro. Você vai precisar selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema, não só no ENEM, mas durante toda sua vida;
  • Sabe argumentar - Convencer seu pai a dar aquele computador novo exigiu um trabalhão, né? Durante sua vida você vai precisar convencer muitas pessoas, sobre absurdos ainda maiores ;) Relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente é primordial, também no ENEM.
  • Elaborar proposta - Não é nada disso que você tá pensando, seu safado. Recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural é o que eles querem.
Com tudo isso, espero que você tenha sido capaz de descobrir que o gabarito para a prova do ENEM, já está na sua cabeça ;)

segunda-feira, 19 de maio de 2008

110 Livros que você não pode deixar de ter em sua biblioteca - por Jorge Alberto

O site Recanto das Palavras, de Jorge Alberto me surpreende mais a cada dia. As informações tem um ótimo nível dentro de um padrão sucinto (dentro dessa globalização recheada de informações, quanto mais eficazes as informações com menos tempo de leitura melhor).
Atenção! a listagem conserva aspectos singulares de quem fez a pesquisa a ponto de, talvez, não suprimir a espectativa de todos.
Os internautas que amam pesquisar sobre língua portuguesa devem obrigatoriamente tê-lo nos favoritos ou assinar o seu feed.
Aí vai a lista.
CLÁSSICOS
Ilíada e Odisséia – Homero
Torres de Barchester, As (The Barchester Chronicles) – Anthony Trollope
Orgulho e Preconceito (Pride and Prejudice) – Jane Austen
Viagens de Gulliver (Gulliver’s Travels) - Jonathan Swift
Jane Eyre (Jane Eyre) –Charlotte Brontë
Guerra e Paz (War and Peace) – Leon Tolstoi
David Copperfield (David Copperfield) – Charles Dickens
Vanit Fair – William Makepeace Thackray
Madame Bovary (Madame Bovary) – Gustave Flaubert
Middlemarch – George Elliot
POESIA
Sonetos (Sonnets) – William Shakespeare
Divina Comédia, A (Divine Comedy) – Dante Alighieri
Contos de Canterbury (Canterbury Tales) – Geoffrey Chaucer
The Prelude - William Wordsworth
Odes - John Keats
Terra Desolada (The Waste Land) – T.S. Eliot
Paraíso Perdido, O (Paradise Lost) – John Milton
Canções da Inocência e Canções da Experiência (Songs of Innocence and Experience) – William Blake
Poemas:Yeats (Collected Poems) – W.B. Yeats
Poemas de Bichos (Collected Poems) - Ted Hughes
FICÇÃO
Retrato de Uma Senhora (Portrait of a lady) – Henry James
Em Busca do Tempo Perdido (A la recherche du temps perdu) – Marcel Proust
Ulisses (Ulysses) – James Joyce
Por Quem os Sinos Dobram (For Whom The Bells Tolls) – Ernest Hemingway
Sword of Honour trilogy - Evelyn Waugh
The Ballad of Peckham Rye - Muriel Spark
Coelho (tetralogia Coelho Corre, Coelho em Crise, Coelho Cresce, Coelho Cai) Rabbit series - John Updike
Cem Anos de Solidão – Gabriel García Márquez
Amada (Beloved) – Toni Morrison
Marca Humana, A (The Human Stain) – Philip Roth
ROMANCE HISTÓRICO
Rebecca (Rebecca) – Daphne du Maurier
Morte de Artur, A (Le Mort d´Arthur) – Thomas Malory
Ligações Perigosas (Les Liaisons Dangereuses) – Chordelos de Laclos
Eu, Cláudio (I, Claudius) – Robert Graves
Gênio de Alexandre, O(Alexander Trilogy) – Mary Renautl
Mestre do Mar, O (Master and Commander) – Patrick O’Brian
E o Vento Levou(Gone With The Wind) – Margaret Mitchell
Dr. Jivago(Dr Zhivago) – Boris Pasternak
Tess of the D’Urbervilles - Thomas Hardy
The Plantagenet Saga - Jean Plaidy
INFANTIL/INFANTO-JUVENIL
Childrens´s Books: swallows and Amazons – Arthur Ransome
Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, O (The Lion, the Witch and the Wardrobe) - C.S. Lewis
Senhor dos Anéis, O(The Lord of the Rings) – J.R.R. Tolkien
Bússola de Ouro(His Dark Materials) – Philip Pullman
Babar, o Elefante (Babar) – Jean de Brunhoff
Meninos e o Trem de Ferro, Os(The Railway Childrens) – Edith Nesbit
Harry Potter (Harry Potter) – J.K. Rowling
Vento nos Salgueiros, O (The Wind in the Willows) – Kenneth Grahame
Ilha do Tesouro (Treasure Island) – Robert Louis Stevenson
FICÇÃO CIENTÍFICA
Frankestein (Frankestein) – Mary Shelley
Vinte Mil Léguas Submarinas (Twenty Thousand Leagues Under The Sea) – Jules Verne
Máquina do Tempo (Time Machine) – H.G. Wells
Admirável Mundo Novo (Brave New World) – Aldous Huxley
1984 (1984) – George Orwell
The Day of the Triffids - John Wyndham
Fundação (Foundantion) – Isaac Asimov
2001, uma odisséia no espaço (2001: a space odyssey) – Arthur C. Clarke
Caçador de Andróides (Do androids dream of electric sheep?) – Philip K.Dick
Neuromancer (Neuromancer) – William Gibson
ROMANCE POLICIAL
Talentoso Mr. Ripley (Talented Mr. Ripley) – Patricia Highsmith
Falcão Maltês (The Maltese Falcon) – Dashiell Hammett
Sherlock Holmes Edição Definitiva 2vls. (The Complet Sherlock Holmes) – Sir Arthur Conan Doyle
Sono Eterno, O (The Big Sleep) – Raymond Chandler
Espião Que Sabia Demais, O (Tinker tailor soldier spy) – John Le Carré
Dragão Vermelho, O (The Red Dragon) – Thomas Harrison
Assassinato no Orient Express (Murder on the Orient Express) – Agatha Christie
Assassinatos na Rua Morgue (The Murders in the Rue Morgue) – Edgar Allan Poe
Mulher de Branco, A [Edição brasileira em 1899] (TheWoman in White) – Wilkie Collins
Killshot (Killshot) – Elmore Leonard
LIVROS QUE MUDARAM O MUNDO
Capital, O (Das Kapital) – Karl Marx
Direitos do Homem, Os (The Rights of Man) – Tom Paine
Contrato Social, O (The Social Contract) – Jean-Jacques Rousseau
Democracia na América, A (Democracy in America) – Alexis de Tocqueville
Da Guerra (On War) – Carl von Clausewitz
Príncipe, O (The Prince) – Niccolo Machiavelli (Maquiavel)
Leviatã (Leviathan) – Thomas Hobbes
Interpretação dos Sonhos (On the Interpretation of Dreams) – Sigmund Freud
Origem das Espécies (On the Origin of Species) – Charles Darwin
Enciclopédia, A (L´Encyclopédie) – Denis Diderot
LIVROS QUE MUDARAM O SEU MUNDO
Zen e a Arte de Manutenção de Motocicletas (Zen and the Art of Motorcycle Maintenance) - Robert M. Pirsig
Fernão Capelo Gaivota (Jonathan Livingston Seagull) – Richard Bach
Guia do Mochileiro da Galáxia (The Hitchhiker’s Guide to the Galaxy) – Douglas Adams
Ponto de Desequilíbrio, O (The Tipping Point) – Malcolm Gladwell
Mito da Beleza, O (The Beauty Myth) – Naomi Wolf
How To Cook – Delia Smith
Um Ano Na Provença (A Year in Provence) – Peter Mayle
Uma criança tratada como coisa : uma lição de sobrevivência (A Child Called ‘It’) – Dave Pelzer
Eats, Shoots and Leaves - Lynne Truss
Miscelânea da Boa Mesa de Schott, A (Schott’s Original Miscellany) – Ben Schott
HISTÓRIA
Declínio e Queda do Império Romando(The Decline and Fall of the Roman Empire) – Edward Gibbon
A History of the English-Speaking Peoples - Winston Churchill
História das Cruzadas, Uma (A History of the Crusades) – Steven Runciman
Histórias (TheHistories) – Heródoto
História da Guerra do Peloponeso, A (The History of the Peloponnesian War)- Tucídides
Setes Pilares da Sabedoria, Os (Seven Pillars of Wisdom) - T. E. Lawrence
The Anglo-Saxon Chronicle – Compilação da história inglesa feita a mando do Rei Alfredo da Inglaterra em 890 d.C.
Tragédia de um povo : a Revolução Russa : 1891-1924, A (A People’s Tragedy) – Orlando Figes
Cidadãos: uma crônica da Revolução Francesa (Citizens: A Chronicle of the French Revolution) – Simon Schama
Segunda Guerra Mundial,A (The origins of the Second World War) - A.J.P Taylor
BIOGRAFIAS E AUTOBIOGRAFIAS
Confissões (Confessions) – Santo Agostinho
Vidas dos Césares ­(Lives of the Caesars) – Suetônio
Vidas dos Artistas, As (Lives of the Artists) – Giorgio Vasari
É Isto Um Homem? (If This is a Man) – Primo Levi
Memoirs of a Fox-Hunting Man - Siegfried Sassoon
Eminent Victorians - Lytton Strachey
A Life of Charlotte Brontë - Elizabeth Gaskell
Adeus a Tudo Isto (Goodbye to All That) - Robert Graves
The Life of Dr Johnson – Boswell
Diaries - Alan Clark

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Uma vírgula muda tudo

Recebi um E-mail muito divertido relacionado a colocação da vírgula e a mudança de sentido da frase. Além se ser um momento lúdico também o é de aprendizado, pois em um texto a vírgula pode nos comprometer imensamente.
A origem desse texto está relacionada a campanha dos 100 anos da ABI -
Associação Brasileira de Imprensa


Divirtam-se aprendendo!


A vírgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere.

Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.

Pode ser autoritária.
Aceito, obrigado.
Aceito obrigado.

Pode criar heróis.
Isso só, ele resolve.
Isso, só ele resolve.

E vilões.
Esse, juiz, é corrupto.
Esse juiz é corrupto.

Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.

Uma vírgula muda tudo. Para que ninguém mude uma vírgula da sua informação. Agora coloque duas vírgulas e um ponto, para que a frase a seguir tenha sentido:

Maria toma banho porque sua mãe disse ela pegue a toalha.

Abraços do Jacaré!

PROCESSO DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS


DERIVAÇÃO

É o processo pelo qual palavras novas (derivadas) são formadas a partir de outras que já existem (primitivas). Podem ocorrer das seguintes maneiras:
Prefixal;
Sufixal;
Parassintética;
Regressiva;
Imprópria.
PREFIXAL – processo de derivação pelo qual é acrescido um prefixo a um radical.
Exemplo: desfazer, inútil.
Vejamos alguns prefixos latinos e gregos mais utilizados:

PREFIXO LATINO PREFIXO GREGO SIGNIFICADO EXEMPLOS
PREF. LATINO PREF. GREGO
Ab-, abs- Apo- Afastamento Abs ter Apo geu
Ambi- Anfi- Duplicidade Ambí guo Anfí bio
Bi- di- Dois pede grafo
Ex- Ex- Para fora Ex ternar Êx odo
Supra Epi- Acima de Supra citar Epi táfio


SUFIXAL – processo de derivação pelo qual é acrescido um sufixo a um radical.
Exemplo: carrinho, livraria.
Vejamos alguns sufixos latinos e alguns gregos:
SUFIXO LATINO EXEMPLO SUFIXO GREGO EXEMPLO
-ada Paulada -ia Geologia
-eria Selvageria -ismo Catolicismo
-ável Amável -ose Micose
PARASSINTÉTICA – processo de derivação pelo qual é acrescido um prefixo e sufixo simultaneamente ao radical.
Exemplo: anoitecer, pernoitar.
OBSERVAÇÃO :
Existem palavras que apresentam prefixo e sufixo, mas não são formadas por parassíntese. Para que ocorra a parassíntese é necessários que o prefixo e o sufixo juntem-se ao radical ao mesmo tempo. Para verificar tal derivação basta retirar o prefixo ou o sufixo da palavra. Se a palavra deixar de ter sentido, então ela foi formada por derivação parassintética. Caso a palavra continue a ter sentido, mesmo com a retirada do prefixo ou do sufixo, ela terá sido formada por derivação prefixal e sufixal.
REGRESSIVA - processo de derivação em que são formados substantivos a partir de verbos.
Exemplo: Ninguém justificou o atraso. (do verbo atrasar)
O debate foi longo. (do verbo debater)
IMPRÓPRIA - processo de derivação que consiste na mudança de classe gramatical da palavra sem que sua forma se altere.
Exemplo: O jantar estava ótimo

COMPOSIÇÃO

É o processo pelo qual a palavra é formada pela junção de dois ou mais radicais. A composição pode ocorrer de duas formas:
JUSTAPOSIÇÃO e AGLUTINAÇÃO.
JUSTAPOSIÇÃO – quando não há alteração nas palavras e continua a serem faladas (escritas) da mesma forma como eram antes da composição.
Exemplo: girassol (gira + sol), pé-de-moleque (pé + de + moleque)
AGLUTINAÇÃO – quando há alteração em pelo menos uma das palavras seja na grafia ou na pronúncia.
Exemplo: planalto (plano + alto)
Além da derivação e da composição existem outros tipos de formação de palavras que são hibridismo, abreviação e onomatopéia.
ABREVIAÇÃO OU REDUÇÃO
É a forma reduzida apresentada por algumas palavras:
Exemplo: auto (automóvel), quilo (quilograma), moto (motocicleta).

HIBRIDISMO

É a formação de palavras a partir da junção de elementos de idiomas diferentes.
Exemplo: automóvel (auto – grego + móvel – latim), burocracia (buro – francês + cracia – grego).

ONOMATOPÉIA

Consiste na criação de palavras através da tentativa de imitar vozes ou sons da natureza.
Exemplo: fonfom, cocoricó, tique-taque, boom!.

ESTRUTURA DAS PALAVRAS

A palavra é subdivida em partes menores, chamadas de elementos mórficos ou morfemas.

Exemplo: gatinho – gat + inh + o
gat=animal felino; inh=indicador de diminutivo; o=indicador de masculino
Infelizmente – in + feliz + mente
in=negação; feliz=alegre, com felicidade; mente=indicador de modo


ELEMENTOS MÓRFICOS
Radical;
Vogal temática;
Tema;
Desinência;
Afixo;
Vogais e consoantes de ligação.

RADICAL

O significado básico da palavra está contido nesse elemento; a ele são acrescentados outros elementos.
Exemplo: pedra, pedreiro, pedrinha.

VOGAL TEMÁTICA

Tem como função preparar o radical para ser acrescido pelas desinências e também indicar a conjugação a que o verbo pertence.
Exemplo: cantar, vender, partir.
OBSERVAÇÃO:
Nem todas as formas verbais possuem a vogal temática.
Exemplo: parto (radical + desinência)
TEMA
É o radical com a presença da vogal temática.
Exemplo: choro, canta.

DESINÊNCIAS

São elementos que indicam as flexões que os nomes e os verbos podem apresentar. São subdivididas em:
DESINÊNCIAS NOMINAIS;
DESINÊNCIAS VERBAIS.
DESINÊNCIAS NOMINAIS – indicam o gênero e número. As desinências de gênero são a e o; as desinências de número são o s para o plural e o singular não tem desinência própria.
Exemplo: gat o
Radical desinência nominal de gênero
Gat o s
Radical d.n.g d.n.n
d.n.g » desinência nominal de gênero
d.n.n » desinência nominal de número
DESINÊNCIAS VERBAIS – indicam o modo, número, pessoa e tempo dos verbos.
Exemplo: cant á va mos
Radical v.t d.m.t d.n.p
v.t » vogal temática
d.m.t » desinência modo-temporal
d.n.p » desinência número-pessoal

AFIXOS

São elementos que se juntam aos radicais para formação de novas palavras. Os afixos podem ser:
PREFIXOS – quando colocado antes do radical;
SUFIXOS – quando colocado depois do radical
Exemplo:
Pedrada.
Inviável.
Infelizmente

VOGAIS E CONSOANTES DE LIGAÇÃO

São elementos que são inseridos entre os morfemas (elementos mórficos), em geral, por motivos de eufonia, ou seja, para facilitar a pronúncia de certas palavras.
Exemplo: silvícola, paulada, cafeicultura.

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Como escrever uma crítica literária ou resenha de um livro - post de Jorge Alberto

Li o post a seguir no Recanto das palavras, blog muito bem construído e administrado por Jorge Alberto. Há muitas novidades e todas de muito boa qualidade. Parabéns, Jorge Alberto. Estou postando uma de suas traduções. "Como escrever uma crítica literária ou resenha de um livro". Boa Leitura!
A resenha ou crítica literária são tanto uma descrição ou uma avaliação de um livro. Deve concentrar-se sobre a finalidade do livro, conteúdo e credibilidade.
Preliminares
Antes de começar a ler, considere o seguinte:
1. Título - O que propõe?
2. Prefácio - Fornece informações importantes sobre a finalidade do autor em escrever o livro e lhe ajudará a determinar o sucesso do trabalho?
3. Índice - Diz-lhe a forma como o livro é organizado e os itens que ajudarão a determinar as principais idéias do autor e a forma como são desenvolvidos? Observar a cronologia, tópicos e outros ítens.

Leia o texto
Anote as impressões sobre o que você lê e destaque passagens para evidenciar. Tenha em mente essas perguntas:
1. Qual é a área ou gênero, e como o livro se encaixa nestas áreas?(Utilize fontes externas para se familiarizar com o campo, se necessário)
2. Qual o ponto de vista daquilo que está escrito?
3. Qual é o estilo do autor? É formal ou informal? Qual tipo de público pretende atingir? Se é uma obra de ficção, o que faz o autor no sentido de usar técnicas literárias?
4. Os conceitos estão claramente definidos? O autor desenvolve bem as idéias? Que áreas são abrangidas ou não abrangidas? Por quê? Isso ajuda a estabelecer a credibilidade do livro.
5. Se é uma obra de ficção, anote elementos como a personagem, enredo, e organização, e como estes se relacionam com o tema do livro. Como é que o autor delineia seus personagens? Como os desenvolve ou desenvolveu? Qual é a estrutura do enredo?
6. Quão exatas são as informações contidas no livro? Verifique fontes externas, se necessário.
7. Se necessário, anote o formato do livro - diagramação, encadernação, tipografia. Verifique se há mapas ou ilustrações e se certifique que eles ajudam a compreensão.
8. Verifique o assunto. O índice é preciso? O que fez o autor utilizar fontes - primárias ou secundárias? Como é que ele fez uso delas? Tome nota de importantes omissões.
9. Por último: o livro é completo? Precisa ser melhor trabalhado? Compare o livro a outros deste autor ou de outros autores.
Consulte fontes adicionais
Tente encontrar mais informações sobre o autor - a sua reputação, qualificações, influências, etc. - qualquer informação que seja relevante para o livro a ser revisto e que ajudará a estabelecer a credibilidade do autor. É bom ter conhecimento do período e de importantes teorias literárias, isto também pode ser útil para a sua resenha. Consulte algum especialista que poderá sugerir fontes e caminhos de pesquisa.
Prepare um esboço
Analise cuidadosamente suas notas e tente unificar suas impressões em uma declaração que descreva a finalidade do trabalho. Em seguida, delineie os argumentos que sustentam a sua resenha. Seus argumentos devem desenvolver a resenha de uma maneira lógica.
Escreva um rascunho
Depure suas anotações e, então, direcionando e fazendo referências às notas quando necessário, comece a escrever. A resenha deve incluir os seguintes elementos:
1. Informações preliminares - A citação bibliográfica completa do livro ou seja, título, autor, local, editor, data da publicação, edição, número de páginas, características especiais (mapas, gravuras, etc), preço e ISBN.
Exemplo:
Dona Carochinha
Contos e Histórias
Rio de Janeiro: Editora Que Imprime, 1998.
224pp. $37.50
9877987798779-0

2. Introdução - Tente capturar a atenção do leitor com sua frase inicial. A introdução deverá indicar sua idéia central, e definir o tom da resenha.
3. Desenvolvimento - Desenvolva argumentos que suportem a resenha, tal como estabelecido no seu esquema. Use descrições, avaliações e, se possível explicação do motivo pelo qual o (a) autor (a) escreveu o livro. Use citações para ilustrar pontos importantes ou peculiaridades.
4. Conclusão - Se a sua resenha foi bem fundamentada, a conclusão deve seguir naturalmente. Ela pode incluir uma avaliação final ou simplesmente reafirmar a sua visão. Não deve introduzir novos materiais neste ponto.
Revisão do rascunho
1. Faça tudo dentro dos prazos estabelecidos. Assim você ganha tempo.
2. Releia com atenção o seu texto, à procura de clareza e coerência.
3. É fundamental ter gramática e ortografia corretas.
4. Verifique as citações.
______________
Livre tradução de How to Write Book Review,
que se encontra no portal da Queen´s University do Canadá.

terça-feira, 6 de maio de 2008

257 dicas de redação

No site www.minhahistoria.net, José Carlos Dutra do Carmo divulga seu livro "Minha história na justiça do trabalho". Disponibiliza cometários, depoimentos e o processo de compra e entrega do livro para todo o Brasil. Mas espera lá! Para um blog sobre língua portuguesa parece não fazer sentido essa postagem... pois bem, ele dá links de suas outras obras e dentre elas "257 dicas de redação".

Na verdade são pequenos conceitos, quase sempre esquecidos, definições concisas de vários aspectos da linguagem escrita. Vale a pena consultar as "257 dicas..." também por motivos forenses, já que o autor trabalhou na Justiça do Trabalho, algumas dicas parecem ligadas a esse tipo de atividade.

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Dicas gramaticais do Professore Gabriel Perissé

Professor Gabriel Perissé tem uma coluna no Educaterra chamada Dicas Gramaticais. Nada de macetes decoreba para vestibular. Perissé junta humor e gramática para analisar pequenas dúvidas do dia-a-dia tanto em relação a modalidade falada ou escrita da língua.

Acesse para aprender brincando e quem sabe para testar seus conhecimentos nas mais ínfimas contextualidades dessa complexa e gostosa língua portuguesa.