quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Emprego dos Tempos Verbais


Há em Português, basicamente, três tempos verbais:

a) presente: revela um fato que ocorre no momento em que se fala. 
Neste instante ele olha para mim. 

b) passado: revela um fato que ocorreu anteriormente ao momento em que se fala. 
Ele saiu com os amigos. 

c) futuro: revela um fato que deverá ocorrer posteriormente ao momento em que se fala. 
Amanhã terei aula de Português. 

Essa divisão dos tempos verbais em passado, presente e futuro não esgota todas as variações que o verbo pode assumir em relação à categoria tempo, já que esses tempos verbais se subdividem e, muitas vezes, assumem outros matizes, alterando de maneira bastante sensível a significação inicial.
Sem pretender esgotar o assunto, vejamos alguns empregos significativos dos tempos verbais. 

1. presente do indicativo: exprime um fato que ocorre no momento em que se fala. Vejo um pássaro na janela 

O presente do indicativo também é usado para: 

a) exprimir uma verdade científica, um axioma: 
A Terra é redonda. 
Por um ponto passam infinitas retas.

b) para exprimir uma ação habitual: 
Aos domingos não saio de casa. 

c) para dar atualidade a fatos ocorridos no passado: 
Cabral chega ao Brasil em 1500.

d) para indicar fato futuro bastante próximo, quando se tem certeza de que ele ocorrerá: 
Amanhã faço os exercícios.

2. pretérito perfeito do indicativo: exprime um fato já concluído anteriormente ao momento em que se fala. 
Ontem eu reguei as plantas do jardim.

3. pretérito imperfeito do indicativo: exprime um fato anterior ao momento em que se fala, mas não o toma como concluído, acabado. Revela, pois, o fato em seu curso, em sua duração. 
Ele falava muito durante as aulas. 

4. pretérito mais-que-perfeito do indicativo: indica um fato passado que já foi concluído, em relação a outro fato também passado.
Quando você resolveu o problema, eu já o resolvera.
Obs.: Na linguagem atual tem-se usado com mais freqüência o pretérito mais-que-perfeito composto. 
Quando você resolveu o problema, eu já o tinha resolvido.
O mais-que-perfeito é, em alguns casos, usado no lugar do futuro do pretérito ou do imperfeito do subjuntivo.
"…mais servira, se não fora Para tão longo amor tão curta a vida!"(Camões) servira = serviria; fora = fosse)

5. futuro do presente: exprime um fato, posterior ao momento em que se fala, tido com certo. 
Amanhã chegarão os meus pais. A
s aulas começarão segunda-feira.
O futuro do presente pode ser empregado para exprimir ideia de incerteza, de dúvida. Serei eu o único culpado?

6. futuro do pretérito: exprime um gato futuro tomado em relação a um fato passado.
Ontem você me disse que viria à escola. 
O futuro do pretérito também pode ser usado para indicar incerteza, dúvida. 
Seriam mais ou menos dez horas quando ele chegou. 
Usa-se ainda o futuro do pretérito, em vez do presente do indicativo ou do imperativo, como forma de cortesia, de boa educação.
Você me faria um favor?

Nenhum comentário: