domingo, 5 de agosto de 2007

Algumas correções intressantes.

O português do dia-a-dia

SE FOSSE DE GRÁTIS...

É certo falar ou escrever: receba de grátis esse brinde? Não. O certo é utilizar as expressões de graça, grátis, ou gratuitamente. Receba de graça. Receba grátis. Receba gratuitamente. Tudo isso é possível, mas de grátis... nem pagando!

- NÃO FIQUE PARA TRÁS

Há quem escreva assim: Esse número me trás sorte. Azar do verbo trazer! Na verdade, deve-se escrever: Esse número me traz sorte, com z e sem acento. Trás pertence à expressão adverbial por trás de.

- MOÇO, INTERA A MINHA PASSAGEM...?

Se for para pedir, é melhor pedir certo. Não existe o verbo interar. O que existe é inteirar, que significa tornar inteiro, completo.

- METADE JÁ É MUITO

Pode-se falar e escrever a metade dos homens veio e a metade dos homens vieram. Tanto faz, porque no primeiro caso o verbo concorda com a palavra metade, e no segundo com a idéia de que a metade do número de homens reunidos é mais de um.

- FALÊNCIA E INSOLVÊNCIA

Embora semelhantes, são coisas diferentes. Uma empresa falida é aquela que não pode mais pagar seus funcionários e contas. Quando uma pessoa não pode pagar suas dívidas torna-se insolvente. Portanto: falência , para pessoa jurídica. Insolvência, para pessoa física.

- UMA DICA DE PAI PARA FILHO

Não confundamos genitor com progenitor. O genitor é aquele que gera, o pai. E progenitor é o pai que gerou antes, ou seja, que gerou o genitor. Meu pai é meu genitor . E meu progenitor é o meu avô.

- MEDIDAS URGENTES

Na medida em que e à medida que são usadas em momentos diferentes. Na medida em que vocês concordam, nós também concordamos (a locução exprime relação de causa). À medida que vocês iam chegando, nós ficávamos mais confiantes (a locução exprime desenvolvimento gradual).

- MODISMOS

Música à moda de Caetano Veloso, Programas à moda de Sílvio Santos e Missa à moda de Padre Marcelo Rossi são perfeitamente substituídos por: Música à Caetano Veloso, Programas à Sílvio Santos e Missa à Padre Marcelo Rossi.

- POUSO FORÇADO

O certo é pouso forçado e nunca poso forçado. Uma coisa é pousar no sentido de descer, outra é posar no sentido de servir de modelo: ela posou, isto é, fez poses para o fotógrafo.

- SE ACASO VOCÊ CHEGASSE...

É certo escrever e falar se acaso você chegasse, que corresponde a se por acaso você chegasse. Já se caso é uma expressão inadmissível, uma vez que caso e se têm a mesma função. Ambos são conjunções condicionais. Portanto, ou digo e escrevo se você vier ou caso você venha.

- ESTOU A FIM DE ACERTAR O USO DO AFIM

Se você está a fim de acertar, é porque tem vontade de acertar. A fim de equivale também ao para: estudou a fim de obter uma boa classificação no Vestibular. Já afim, uma palavra só, é um adjetivo que se usa em expressões como: pessoas afins, objetivos afins, isto é, pessoas que se dão bem, objetivos congruentes..

- PONTO FINAL

Fruto da distração, muitas pessoas confundem as expressões afim e a fim. A primeira é um adjetivo que tem a ver com a idéia de afinidade: temos gostos afins, por exemplo. Já a outra expressão faz parte de uma locução com sentido de finalidade: saí a fim de visitar uns amigos. Esta expressão tornou-se também uma gíria, como nesta frase: não estou a fim, e ponto final!

- DESCANSO ARRISCADO

Há gente que corre o risco de sair chamuscada, ao confundir lazer com laser. Lazer é o descanso, a distração, o tempo livre bem aproveitado para usufruir da vida. Laser, que já se aportuguesou, são as iniciais de light amplification by stimulated emission of radiation.

- UM GRAVE PROBLEMA JURÍDICO

Uma circunstância que agrava um problema é uma agravante, no feminino. Existe agravante como substantivo masculino, mas aí se trata de alguém do sexo masculino que interpõe um agravo (um recurso para aumentar a pena de um veredicto).

- CHEQUE SEM FUNDOS?

Um cheque tem fundo ou tem fundos? Um cheque está sem fundo ou sem fundos? O correto é fundos no plural, pois é no plural que fundo tem o sentido de provisão de dinheiro disponível para saque bancário.

- EM QUANTO E ENQUANTO

Em quanto é uma expressão formada pela preposição em e o pronome quanto. Usa-se em frases como: em quanto tempo você lê essa dica? Já enquanto é uma conjunção, como neste caso: enquanto eu lia essa dica, o telefone tocava.

- EXTRAVASAR OU EXTRAVAZAR?

Extravasar se escreve com s, porque o que extravasa é aquilo que transborda do vaso. Só seria extravasar com z se houvesse um extravasamento do vazio...

- TODO NÃO É TUDO

Todo estudante gosta de estudar significa que qualquer estudante gosta de estudar (mas pode haver exceções), ao passo que a frase todo o estudante está sujo significa que um estudante inteiro, dos pés à cabeça, está sujo.

- NÃO CONFUNDA A VIDA PÚBLICA COM A PRIVADA

Belo conselho para os políticos e artistas. Quem tem uma vida pública muito intensa deve proteger sua intimidade. O certo é escrever: Não confunda a vida pública com a vida privada. Assim, evita-se que alguém interprete privada como substantivo.

- DICAS EM DOMICÍLIO

A expressão em domicílio é a certa quando se usa o substantivo entrega ou o verbo entregar. Entrega de pizzas em domicílio, uma vez que quem entrega, entrega algo em algum lugar. Você recebe estas dicas de português em domicílio, pois quem recebe algo, recebe algo em algum lugar, em casa, na empresa etc.

- CONTAGIANTE OU CONTAGIOSO?

Contagiante não é exatamente a mesma coisa que contagioso. Um entusiasmo contagiante é aquele que se transmite a todos. Uma doença contagiosa é aquela que muitos podem pegar. Em ambos os casos, trata-se de algo que se espalha com facilidade. Contudo, convencionou-se assim: contagiante para as coisas boas e contagioso para as coisas ruins.

- UM FAX É BOM, DOIS JÁ É DEMAIS

O plural de tórax é tórax, sem o s. Uma fênix, plural: duas fênix, sem o s. O látex, os látex, sem o s de novo. Palavras terminadas em x não mudam no plural. Por isso, um fax é bom e dois fax já é demais.

- CADA UM FAZ O QUE PODE

Falamos sem prestar muita atenção ao que dizemos. Por isso, vale a pena corrigir as imprecisões. Se eu digo que ontem fui ao barbeiro e cortei meu cabelo, é por que fiquei no lugar do profissional? E se o presidente operou a vista, é porque além de chefe de nação virou cirurgião de si mesmo e operou sua própria vista?

- É ERRADO MESMO?

Li outro dia: "ele bateu na mulher e a mesma foi hospitalizada." É errado fazer isso com uma mulher, mas também não é certo usar o mesma desse modo. Podemos escrever essa frase com mais clareza e de outras formas: "ele bateu na mulher e a coitada foi hospitalizada", ou: "ele bateu na mulher, que foi hospitalizada".

- EM FUNÇÃO DE QUÊ?

Tornou-se comum a expressão em função de em frases como "cheguei atrasado em função do trânsito" ou "ele morreu em função de uma pneumonia". No entanto, em função de significa finalidade e não causa. Se cheguei atrasado foi por causa do trânsito e se ele morreu foi em virtude da pneumonia. Certo é dizer: "ele vive em função do dinheiro", ou seja, ele vive para o dinheiro, com a finalidade de ganhar dinheiro.

- ALGUÉM PRECISA DE ENORMES EXPLICAÇÕES?

A expressão "para maiores informações..." popularizou-se em anúncios de todos os tipos, mas basta pensar um pouco para perceber que é totalmente inadequada. Uma informação não pode ser maior, nem enorme. Nós precisamos é de mais informações.

- VOCÊ TRABALHA DE SÁBADO?

Há pessoas que trabalham de segunda, de terça, de quarta, de quinta, de sexta, de sábado e até de domingo. Ufa! Apesar de tanto esforço, o correto mesmo é trabalhar aos sábados, se for necessário, mas nunca aos domingos, porque, afinal de contas, ninguém é de ferro!

Nenhum comentário: